Confira o novo Linux Mint 19.2 “Tina”!

Nenhum comentário
Confira o novo Linux Mint 19.2 “Tina”!

Considerada uma das versões mais completas do Linux, o Linux Mint ganhou uma nova versão, a Linux Mint 19.2 "Tina". Esta variante do Linux possui ambientes gráficos Cinnamon, MATE e Xfce e roda nas arquiteturas 32 e 64 bits.

A versão Mint é uma das variações mais recomendadas para quem quer se aventurar no sistema operacional Linux para variar de sistema operacional utilizado e conhecer outros ares ao invés de ficar somente no Windows ou macOS.

O Mint possui "tudo o que o usuário precisa" já pré-instalado, assim como os grandes sistemas operacionais. O sistema operacional já foi com ícones, wallpapers e menus amigáveis, intuitivos com diversas funcionalidades. A versão 19.2 é baseada no Ubuntu 18.04.1 LTS (Bionic Beaver) e é possível utilizá-la nos ambientes Cinnamon 4.2, MATE 1.21 e Xfce 4.2.

Observação: A versão kernel utilizada no Linux Mint 19.2 é a 4.15.


O Linux Mint é uma distribuição Linux irlandesa e possui duas variantes, uma é baseada no Ubuntu e a outra em Debian. Seu suporte ao idioma é bem vasto, incluindo o português. O seu principal ambiente para desktop é o Cinnamon. Sua primeira versão (beta) foi disponibilizada no ano de 2006, com o codinome "Ada", baseada no Kubuntu.

O que você acha de dar uma chance para o sistema operacional Linux e instalá-lo por um curto período para ver o que acha? Faça isso e nos conte como foi a sua experiência!

Fonte: PPLWARE

12 Razões para migrar do Windows para o Linux

Nenhum comentário
O Windows 10 já existe há algum tempo, e muitos usuários já compraram o computador com a mais recente oferta da Microsoft pré-instalada. Temos que admitir que o Windows 10 é uma grande melhoria em relação ao Windows 8 e no Windows 8.1 e, como sistema operacional, é muito bom. A capacidade de executar comandos Linux BASH no Windows é um bom recurso, assim como os espaços de trabalho virtuais, onde é possível executar aplicativos em diferentes áreas de trabalho. Este artigo, no entanto, fornece uma extensa lista de razões pelas quais você deveria optar por usar o Linux em vez do Windows 10. Mas lembramos que o que é bom para uma pessoa, não é necessariamente bom para outra.

12 Razões para migrar do Windows para o Linux


1. O Windows 10 é lento em computadores antigos 

Se você estiver usando o Windows XP, Vista ou Windows 7 em um PC antigo, provavelmente o computador não será poderoso o suficiente para executar o Windows 8 ou o Windows 10.

Você tem duas escolhas realmente: Comprar um computador novo com o Windows 10 ou migrar para o Linux.

Certas distribuições de Linux provavelmente não fornecem muito aumento de desempenho, já que seus ambientes de desktop usam uma boa quantidade de memória, mas existem versões do Linux disponíveis que funcionam brilhantemente em hardwares mais antigos.

Para um hardware mais novo, experimente o Linux Mint com o Cinnamon Desktop Environment ou o Ubuntu. Para hardware com 4 anos ou mais de uso, você também pode experimentar o Linux Mint, mas use o ambiente de desktop MATE ou XFCE, que oferece uma interface mais leve.

Para hardwares muito antigos, vá de AntiX, Q4OS ou Ubuntu.

2. Interface do usuário do Windows 10

A maioria das pessoas fica um pouco desorientada quando começa a usar um novo sistema operacional, especialmente se a interface de usuário for muito diferente.

A verdade é que demora pouco tempo para se acostumar com a nova maneira de fazer as coisas. Logo você acaba gostando da mais nova interface do que a antiga.

No entanto, se, mesmo depois de algum tempo, você não conseguir se familiarizar com o a interface do Windows 10, talvez prefira uma interface um pouco mais parecida com o Windows 7, ou você pode decidir tentar algo completamente diferente.

O Linux Mint oferece uma aparência moderna, mas com menus e barras de ferramentas funcionando da maneira similar, e você descobrirá que a curva de aprendizado do Linux Mint não é mais difícil do que a atualização do Windows 7 para o Windows 10.

3. O tamanho do download do Windows 10

Se você estiver usando o Windows 7 ou até mesmo no Windows 8, e estiver pensando em atualizar para o Windows 10, deverá perceber que o download do Windows 10 é muito grande. 

Você tem um limite de download com seu provedor de banda larga? A maioria das distribuições do Linux pode ser baixada em menos de 2 gigabytes, e se você estiver realmente com pouca largura de banda, algumas podem ser instaladas por cerca de 600 megabytes. Há algumas versões de Linux ainda menores que isso.

Você pode, é claro, comprar o Windows 10 em mídia física, mas custará uma quantia razoável de dinheiro.

4. O Linux é grátis 

A atualização gratuita oferecida pela Microsoft há alguns anos se esgotou, o que significa que agora você tem que pagar por ela.

Muitos fabricantes vendem computadores com o Windows 10 instalado, mas se você está descontente com o seu sistema atual, a única maneira de obter um novo sistema operacional é pagar pela versão mais recente do Windows, ou baixar e instalar o Linux gratuitamente.

O Linux tem todos os recursos que você pode precisar em um sistema operacional, e é totalmente compatível com hardware. Algumas pessoas dizem que o que é de graça não é bom, mas este é um exemplo onde esse ditado não é verdadeiro.

Se o Linux é bom o suficiente para as principais empresas do setor de tecnologia, então definitivamente é bom o suficiente para um computador doméstico.

5. Linux tem muito mais aplicativos gratuitos

O Windows tem alguns produtos importantes, como o Microsoft Office e o Visual Studio, que fazem com que algumas pessoas se sintam bloqueadas no Linux.

Porém, é possível executar o Microsoft Office no Linux, usando o software de virtualização ou usar versões online.

A maior parte do desenvolvimento de software atualmente é baseado na web, e existem muitos IDEs bons disponíveis para o Linux. Com o avanço do .NET Core, você também pode criar APIs para usar com seus aplicativos da Web JavaScript.

O Python também é uma importante linguagem de programação que pode ser usada em várias plataformas no Windows, Linux e em Macs. O PyCharm IDE é tão bom quanto o Visual Studio. Então, o Visual Studio não é sua única opção.

O Linux tem um ótimo conjunto de aplicativos que, para a maioria das pessoas, fornece todos os recursos que você pode precisar. Por exemplo, a suíte do LibreOffice é ótima para 99,9% das necessidades médias das pessoas. O reprodutor de áudio Rhythmbox é melhor do que qualquer coisa que o Windows oferece, o VLC é um excelente reprodutor de vídeo, o navegador Chrome está disponível, o Evolution é um excelente software de e-mail e o GIMP é um excelente editor de imagens.

6. Segurança

Embora nenhum sistema operacional seja completamente isento de riscos, o fato é que o Windows é um grande alvo dos desenvolvedores de vírus e malware.

Há muito pouco que a Microsoft possa fazer sobre esse problema e, como tal, você deve instalar um aplicativo antivírus e um software de firewall, que acabará consumindo a memória e o uso da CPU, bem como o fluxo constante de downloads necessários para manter esse software atualizado.

No Linux, você só precisa ser inteligente e manter os repositórios, além de evitar o uso do Flash da Adobe. O Linux, por sua própria natureza, é mais seguro que o Windows e praticamente imune à vírus.

7. Agilidade

O Linux, mesmo com todos os efeitos e recursos brilhantes dos ambientes de desktop modernos, é executado mais rapidamente do que o Windows 8.1 e o Windows 10.

Os usuários estão se tornando menos dependentes de softwares e mais dependentes da web. Se você precisa de toda a sua capacidade de processamento ocupada com o sistema operacional, ou você quer apenas algo com uma pegada mais leve, permitindo que você continue com seu trabalho e tempo de jogo, o Linux é uma boa opção.

8. Privacidade

A política de privacidade do Windows 10 foi bem documentada na imprensa. A verdade é que não é tão ruim quanto algumas pessoas querem que você acredite, e a Microsoft não está fazendo nada que o Facebook, o Google, a Amazon, entre outros, não estejam fazendo há anos. 

Por exemplo, o sistema de controle de voz da Cortana aprende sobre a maneira como você fala, e fica melhor à medida que vai enviando dados de uso para a Microsoft. Eles podem usar esses dados para melhorar a maneira como a Cortana funciona. A Cortana, é claro, lhe enviará anúncios direcionados, mas o Google já faz isso e não há como fugir.

Vale a pena ler a política de privacidade para esclarecimentos, mas não é extremamente alarmante.

Dito tudo isso, a maioria das distribuições Linux não coleta seus dados. Você pode ficar escondido. (Contanto que você nunca use a internet).

9. Confiabilidade 

O Windows não é tão confiável quanto o Linux. Quantas vezes você, como usuário do Windows, teve um programa que você tentou fechar via gerenciador de tarefas (supondo que você possa abri-lo), e ele permaneceu aberto? Podem ter sido várias as tentativas para de fechar o programa travado.

No Linux, cada aplicativo é autônomo, e você pode facilmente eliminar qualquer aplicativo com o comando XKill.

10. Atualizações

É terrível quando precisamos imprimir algo rapidamente, ligamos o computador e ver a seguinte mensagem: "Instalando a atualização 1 de 356"

Ainda mais irritante é o fato de que o Windows escolhe quando quer instalar atualizações, e de repente, ele apenas exibe uma mensagem dizendo que seu computador vai ser reinicializado.

Como usuário, deve ser sua responsabilidade decidir quando você quer instalar as atualizações, e elas não devem ser forçadas, ou você deve pelo menos ter um período de aviso decente.

Outra desvantagem é que o Windows geralmente precisa ser reinicializado para instalar as atualizações.

Os sistemas operacionais Linux também precisam ser atualizados. Não há como fugir disso porque as falhas de segurança são corrigidas o tempo todo. Mas no Linux você pode escolher quando essas atualizações serão aplicadas e, na maioria dos casos, as atualizações podem ser aplicadas sem reinicializar o sistema operacional.

11. Variedade 

Distribuições Linux são altamente personalizáveis. Você pode mudar completamente a aparência e ajustar quase todas as seções, para que tudo funcione exatamente como você deseja.

O Windows tem um conjunto limitado de ajustes disponíveis, mas o Linux permite que você altere absolutamente tudo. 

12. Suporte 

A Microsoft tem bastante suporte ao cliente, mas nem sempre ele é suficiente. Não é que o suporte da Microsoft seja ruim porque, ao contrário, é de fato muito profundo e bom.

No entanto, a verdade é que eles empregam pessoas para oferecer apoio e há tanto dinheiro que é orçado para esse apoio, que a riqueza de conhecimento se espalha muito pouco.

O suporte ao Linux é muito mais fácil de encontrar, e existem dezenas de fóruns, centenas de salas de bate-papo e ainda mais sites dedicados a ajudar as pessoas a aprender e entender o Linux.

5 Dicas para tornar sua VPN mais segura

Nenhum comentário
Usar uma VPN é a melhor maneira de ter seu anonimato na internet. Os aplicativos de VPN são projetados para serem fáceis de usar, geralmente custam um valor mensal acessível e garantem que ninguém possa ver o que você faz on-line, nem saber quem você é. Mas como você poderia estar aumentando a segurança de sua VPN?

Como tornar sua VPN mais segura


Enquanto muitas VPNs alegam seus incríveis recursos de segurança, uma quantidade surpreendente do tempo elas não estão habilitadas por padrão, ou estão disponíveis apenas para seu Windows, sem aplicativos para Android e iOS. Então, vale a pena atentar a alguns detalhes para poder ficar mais seguro.

1. Mude o protocolo da VPN


Não há apenas um tipo de VPN - na verdade, há uma grande variedade de protocolos VPN, e muitos provedores realmente oferecem essa opção. Às vezes, essa escolha está disponível no aplicativo de conexão; às vezes é simplesmente uma opção de configuração para ferramentas de VPN de terceiros. Mais comumente, suas opções são o PPTP (protocolo de encapsulamento ponto-a-ponto), o L2TP / IPSec (protocolo de encapsulamento de camada 2) e o OpenVPN.

Particularmente, se você está configurando a VPN em um dispositivo móvel ou um roteador, o PPTP e o L2TP são geralmente as melhores opções, já que são muito mais fáceis de configurar. Em muitos casos, você só precisa de um nome de servidor, nome de usuário e senha.

O PPTP usa uma criptografia de 128 bits, que é fraca, e o processo inicial de conexão e autenticação pode ser interceptado, além dos dados descriptografados e comprometidos. Por outro lado, ele é o mais rápido dos protocolos, porque tem a menor sobrecarga de criptografia.

O L2TP é mais seguro, mas também adiciona muita sobrecarga e é o mais lento dos protocolos.

O OpenVPN é o melhor dos dois mundos: é rápido, recupera-se rapidamente de uma conexão perdida e é completamente seguro. Se o seu provedor de VPN não oferece OpenVPN, é hora de mudar de fornecedor.

2. Interruptor de bloqueio


Se a conexão VPN falhar - se o servidor VPN ficar inativo ou a conexão for perdida - seu computador retornará imediatamente ao seu endereço de internet normal, tornando-o vulnerável; isso é conhecido como vazamento de IP. Você provavelmente nem vai ficar sabendo que isso aconteceu.

É aí que entra o interruptor de bloqueio (kill switch). Ele garante que, se sua VPN for desconectada, a conexão com a Internet será encerrada, ou os apps que a usam. Se você não estiver se conectando pela VPN, não conseguirá se conectar.

Alguns aplicativos de conexão VPN, na verdade, possuem um interruptor de bloqueio integrado. Mas uma alternativa para a ausência deste recurso é um Interruptor para bloqueio VPN, que pode ser adicionado a qualquer VPN. Esses aplicativos, como o VPN Watcher e o VPNetMon, são configurados no Windows para fechar instantaneamente os aplicativos selecionados, caso a VPN não funcione, e reiniciá-los.

3. Ative um bloqueio de rede


Assim como um interruptor de bloqueio, ativar o bloqueio de rede é outra maneira rápida e fácil de ajudar a garantir que sua conexão esteja segura, caso seu Wi-Fi seja interrompido.

No caso de interferência de VPN, o bloqueio de rede impedirá automaticamente que o dispositivo acesse à Internet. Isso significa que suas informações podem permanecer protegidas enquanto sua VPN se reconfigura.

Ao manter sua rede - seja ela móvel ou desktop - sob bloqueio, significa que você não terá que se preocupar com a exposição do seu IP. É um recurso útil para se ter, mas nem todo provedor de VPN oferece isso.

4. Cuidado com os vazamentos de DNS 


DNS, que significa Domain Net Server, é o serviço que seu computador usa para traduzir URLs para um endereço IP, Quando você está conectado a uma VPN, usará automaticamente o DNS seguro fornecido pelo serviço VPN. Mas às vezes acontece do seu computador usar sua conexão DNS regular, ignorando a VPN. Isso é chamado de vazamento de DNS, e compromete sua segurança.

Alguns servidores VPN possuem proteção contra vazamento de DNS integrada, mas se a sua não tiver esse recurso, você pode executar um teste aqui. O local que ele informa deve ser sua localização aparente de VPN, não a sua localização atual.

5. Bloqueio de vazamentos de IPv6


Para a maioria das atividades na Internet, usamos a boa e velha versão 4 do protocolo da internet (endereços IP de quatro números). O problema é que há também uma versão 6 do protocolo, que é projetada para fornecer muito mais endereços de Internet do que o IPv4. Os provedores de Internet ainda estão fazendo a transição do IPv4 para o IPv6, embora o seu computador suporte ambos.

O IPv6 opera fora da VPN, e um invasor pode usá-lo para descobrir quem você é. Não é algo que é feito com frequência, mas é possível, e a única correção real é desabilitar o IPv6. Algumas VPN têm a capacidade de fazer isso no próprio software, mas se você quiser fazê-lo manualmente, siga as instruções abaixo:

Clique no botão Iniciar, digite regedit e pressione Enter. Na barra superior, navegue até ou cole:

"omputadorHKEY_LOCAL_MACHINESYSTEMCurrentControlSetServicesTcpip6Parameters". 
Clique com o botão direito em Parâmetros e selecione Novo e, em seguida, Valor DWORD (32 bits).


Nomeie o novo valor DisabledComponents e pressione Enter.


Agora, clique com o botão direito do mouse no novo valor DisabledComponents que você acabou de criar e selecione Modificar. Defina o valor de DisabledComponents como FF e clique em OK.


5. Cuidado com os vazamentos do WebRTC


Também é importante garantir que sua rede não exponha seu endereço sem querer. O WebRTC (Comunicação em tempo real na Web) é um protocolo comum que permite que dois dispositivos se comuniquem rapidamente entre si, transmitindo o endereço IP um do outro.

Infelizmente, ao fazer isso, às vezes também compartilha a localização de um usuário sem saber. Como os vazamentos do WebRTC estão relacionados ao seu navegador e não a aplicativos específicos, a falha pode realmente detectar e transmitir seu endereço IP real, mesmo quando você estiver usando uma VPN.

Uma maneira fácil de testar vazamentos do WebRTC é verificar seu endereço IP antes e depois de se conectar a uma VPN. Você pode usar um site de teste de IP como este para verificar seu endereço antes de se conectar a um servidor VPN e depois. Seu endereço deve mudar, dependendo de qual conexão VPN você está usando. Se não, então pode ser um sinal de que seu navegador está vazando sua localização.

Muitas VPNs começaram a oferecer sua própria proteção contra vazamentos WebRTC, mas você também pode usar bloqueadores de anúncios gratuitos para bloquear manualmente todos os vazamentos de WebRTC locais.

Manter a segurança da VPN requer vigilância constante e alguns cuidados, mas se você seguir estas 5 dicas, será muito menos provável que você tenha problemas de segurança relacionados à VPN.

Faça anotações rápidas no navegador com o Notepad

Nenhum comentário
Às vezes, quando estamos trabalhando no computador e lembramos de algo importante que não podemos esquecer, usamos o bloco de notas para fazer uma anotação rápida. Porém, se você estiver navegando na internet, você pode usar o Notepad, uma ferramenta que lhe permite fazer anotações rápidas no navegador.


O Notepad é uma ferramenta online, porém isso não significa que as anotações são salvas na nuvem, elas são salvas localmente no próprio navegador e são perdidas apenas se você limpar os dados de navegação.

Para criar a primeira anotação, basta acessar o site do Notepad e começar a digitar. Caso você tenha feito anotações anteriormente, elas serão exibidas. Clique no botão “Create New” para criar uma nova anotação.

A ferramenta possui uma série de teclas de atalho para você criar novas notas, acessar o painel de notas e formatar o texto (negrito, itálico, alinhamento, lista, etc). Para verificar as teclas de atalho, clique no ícone ?.

Por exemplo você pode criar uma nova nota com a tecla de atalho Ctrl+K, criar uma lista numerada usando Ctrl+Shift+I, colocar um texto em negrito com Ctrl+B, abrir o painel de notas com Ctrl+O e assim por diante.

As notas são salvas automaticamente e ao terminar de fazer a anotação, basta você clicar no ícone de três traços do lado direito da janela para voltar ao “painel de notas” onde todas as suas anotações são exibidas.

No geral, Notepad é uma boa opção para fazer anotações rápidas no navegador. Basta você adicioná-lo no favoritos e acessar quando quiser anotar algo sem ter que deixar o navegador para utilizar o bloco de notas.

Crie um código QR para a sua rede Wi-Fi

Nenhum comentário
Uma das primeiras coisas que as pessoas querem quando chegam em sua casa é a senha do Wi-Fi. Para facilitar o compartilhamento e evitar que você revele a senha do Wi-Fi você pode utilizar o QiFi, um serviço online que permite que você crie um código QR para as pessoas se conectarem a rede Wi-Fi da sua casa.






Criar um código QR usando o QiFi é muito simples. Basta acessar o site, digitar o nome de sua rede Wi-Fi (SSID), o tipo de criptografia em uso (Encryption), a senha da rede Wi-Fi (Key) e clicar no botão “Generate”.

Uma vez feito isso, ele irá criar um código QR, que você pode exportar para uma imagem em formato PNG ou então, imprimir o código QR gerado diretamente do navegador e colá-lo em algum lugar de fácil acesso.

Agora, quando alguém pedir a senha da sua rede Wi-Fi, basta você orientar a pessoa a escanear o código QR utilizando um aplicativo de leitura de código QR em seu smartphone para se conectar a sua rede Wi-Fi.

O iPhone tem um leitor de código QR embutido, basta abrir o aplicativo de câmera e apontar para o código QR. Caso o seu smartphone seja Android e ele não tenha um leitor, você pode instalar o Barcode Scanner.

Ao escanear o código QR você será conectado automaticamente a rede Wi-Fi solicitada, ele não fornece a senha da rede para você se conectar, o leitor reconhece as informações do código QR e realiza a conexão.

Em resumo, QiFi oferece uma forma mais prática de você compartilhar a senha da sua rede Wi-Fi. Porém, note que ele será útil apenas para usuários que possuem um leitor de código QR instalado no smartphone.

Como bloquear o uso de pendrives no Windows 10

Nenhum comentário
Pendrives e HDs externos são dispositivos de armazenamento USB bastante úteis, porém se você conectar um dispositivo infectado em seu computador, ele pode acabar infectando seu sistema operacional também.

Uma maneira de evitar que isso aconteça é bloquear o uso de dispositivos de armazenamento USB. Nesse tutorial vamos mostrar como você pode desabilitar a conexão de pendrives e HDs externos no Windows 10.


Opção 1 – Editar o registro do Windows

A primeira opção é mais recomendada para usuários experientes, uma vez que ela requer que você edite o registro do Windows para bloquear a conexão de dispositivos de armazenamento USB em seu computador.


1. Pressione as teclas Win+R para abrir a caixa Executar, digite regedit e clique em OK.


2. No editor de registro, navegue até a chave abaixo:

HKEY_LOCAL_MACHINE\SYSTEM\CurrentControlSet\Services\USBSTOR


3. Do lado direito você verá uma entrada chamada “Start“. Clique duas vezes nela para editá-la.

4. Na maioria dos casos, o valor será 3. Substitua o valor por 4, clique em OK e feche o registro.


5. Pronto, agora sempre que um dispositivo de armazenamento USB for conectado no computador, ele não será exibido como uma unidade no Windows Explorer e não poderá ser acessado de qualquer outra forma.



Opção 2 – Usar um programa.

Caso não queira editar o registro do Windows, você pode utilizar um pequeno programinha para bloquear o uso de pendrives, HDs externos e outros dispositivos de armazenamento USB no Windows com um clique.

1. Baixe o Windows USB Blocker e instale-o em seu computador.

2. Execute o programa e clique em “Block USB Port“.


3. Depois de desativar o USB, você pode desinstalar o programa.

Por último, note que ambas as opções bloqueiam apenas os dispositivos de armazenamento USB, como o pendrive e o HD externo, eles não impedem a utilização de outros dispositivos USB como mouse e teclado.

Converta arquivos PDF para Word com PDF.to

Nenhum comentário
Às vezes, você quer modificar uma informação em um arquivo PDF, mas não tem mais o arquivo original e precisa redigitar todo o texto. Para não ter todo esse trabalho você pode usar o PDF.to, um serviço gratuito que oferece uma forma prática de converter documentos PDF em documentos do Word no formato DOCX.


PDF.to é um serviço online muito simples de usar. Além de converter documentos PDF em documentos do Word, ele pode converter PDF para os formatos CSV, XLSX do Excel, arquivo de texto TXT e imagem JPG.

Além disso, ele também é capaz de fazer a conversão ao contrário. Você pode converter arquivos CSV para PDF, Excel para PDF, JPEG para PDF, PPT para PDF, Word para PDF e ODT para PDF e compactar PDFs.

Para converter um arquivo, basta acessar o site e selecionar a opção desejada. Por exemplo para converter um arquivo PDF para o formato de documento DOCX do Word, você deve selecionar a opção PDF to Word.

Em seguida, tudo o que você precisa fazer é “arrastar e soltar” o documento que deseja converter dentro da página ou então clicar no botão “Click here” e adicionar o arquivo em seu computador que deseja converter.

Uma vez feito isso, o PDF.to irá fazer o upload do arquivo e irá realizar a conversão para o formato definido. A conversão é muito rápida e uma vez terminada, clique em “clicking here” para baixar o arquivo convertido.

Em resumo, PDF.to é uma boa opção para converter arquivos de e para o formato PDF. Ele funciona muito bem e a conversão é feita com bastante sucesso, porém ele não preserva imagens e a formatação do texto.
Psinformática © todos os direitos reservados.
Feito com K@k@rot0